sábado, 13 de abril de 2013

Caminhos


deixei as mãos caírem 
no caminho dos passos,
talvez em busca do tacto,
porventura de um rumo...
porque os pés não agarram 
e só as mãos
poderão encher-se do vazio
que a tua veste já não cobre,
pois que dos passos
remanesce o caminho
por onde o vento se arrasta
numa rota de pegadas
...
apagadas!


1 comentário:

Maria Silva disse...

Por vezes, quando julgamos estar parados, é quando inexplicavelmente se alcança mais longe...
Belos os seus poemas.