sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Leituras


Eram muitas as palavras que se acumulavam em linhas e parágrafos e páginas e capítulos que ela lia. Aglomeravam-se como as pessoas na carruagem onde a manhã corria, sobre carris, rumo a um destino que parecia comum. Interrompendo a concentração da narrativa que o autor lhe oferecia, sentiu o olhar a seu lado invadir-lhe as páginas. Uma brisa há muito não experimentada, tocou-lhe o âmago. Espontaneamente assegurou-se de que a leitura seria possível a dois pares de olhos. E a descrição que seguia começou a ser conquistada por um questionar exterior: o que o levaria a seguir as palavras que em leitura lhe oferecia? Começou a demorar o virar de página com um espaço de tempo em que adivinhava a leitura dele já terminada. Sentia-lhe fervilhar, como se a ficção fosse realidade, a descoberta, a aventura, o desejo. Aos poucos a cidade ia apoderando-se de passageiros e a carruagem vazando. Com as páginas folheando-se a caminho do epílogo, as estações guardaram todos os viajantes. Na longa carruagem, agora, só ele permanecia com ela. Lado a lado, numa proximidade inquietante. Todos os outros lugares vazios. Desnecessários. No meio dos parágrafos imaginou-se transparente como a musselina da blusa que trazia vestida. Sonhava! que palavras se escreviam a partir da sua imaginação e ele poderia lê-las. Dizer-lhe mais do que as escritas no seu livro e que nesta manhã partilhava, inverosimilmente, com um desconhecido. Subitamente, ele levantou-se, encaminhou-se para a porta e na paragem seguinte saiu. Sem uma única palavra, sem um único olhar para além do que lhe deixara pelas linhas partilhadas, sem rasto. O livro ficou por concluir… quantas histórias haverá por terminar porque páginas ficaram em suspenso?... quantas viagens se diluem porque os destinos não coincidem?...

3 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

quantas histórias, quantas?!

que belo!

:)

Graça Pires disse...

Olhares que se ajustam às mesmas palavras, mas diferem nos caminhos traçados...
Um belo texto.
Beijo.

IMAGENS DE SONHO disse...

"quantas viagens se diluem porque os destinos não coincidem?..."

Eu, diria muitas....

Adorei o texto... Belíssimo!!!!