quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Noitecer


Feiticeira das noites
cobriste de veludo minha pele
desfazendo em carícias
um poema estendido
em arrebatamento adiado,
abriste o caminho da mina
onde me sitiaste em sedução
e cativo derreti em mel
no alvéolo de teu corpo,
jazigo incessante do meu noitecer.

1 comentário:

Isa disse...

belíssimo!

beijinho.
Isa