terça-feira, 31 de agosto de 2010

"Os Adeuses" de Juan Carlos Onetti

imagem recolhida aqui

Quando o corpo nos elege como membro duma elite distinta da maioria dos humanos, não é fácil admitir que, um dia, esse mesmo corpo se transformará e nos devolverá à generalidade dos mortais.

“Os Adeuses”, de Juan Carlos Onetti, é um olhar dissecador dum narrador sobre a recusa dum homem em admitir a não eternidade da sua fisicalidade; é o conjunto de intuições de quem vê nessa denegação a irrecuperabilidade da doença. Esse homem é, simultaneamente, um vértice e o centro dum triângulo que o leitor é levado a gerir de acordo com as apreciações do narrador.

Mas esta novela, do autor uruguaio falecido em Madrid, é também uma colecção de lições de vida, um espelho em que subitamente nos vemos reflectidos e, ainda que não envolvidos na narrativa, quase nos sentimos participantes da mesma. A escrita de Onetti é também inspiradora. Amiudadas vezes é possível determo-nos num dos seus períodos, tomá-lo como nosso e iniciar a descrição duma parte da nossa vida.

“Os Adeuses” é um livro para ler no máximo de concentração, tantos são os detalhes que nos são oferecidos e na sua maioria com igual importância para a compreensão da obra.

Na edição de Abril de 2009, da editora Relógio d’Água, “Os Adeuses” tem cerca de uma centena de páginas. Ao chegarmos à última delas, e também por culpa do sugestivo posfácio de Wolfgang A. Luchting, fica-nos a vontade de o recomeçar, para recuperar pormenores que nos terão passado omissos… para nos reencontrarmos em páginas que não escrevemos.



Obrigado João Lima, pela sugestão!!!

2 comentários:

Marta disse...

tou de saída, para o comprar :)

obg.

A. Marques-Rodrigues disse...

Comprei o livro em Buenos Aires, editado junto com um conto, O poço, e terminei de lê-lo estes dias. É um escritor maravilhoso; são duas obras escritas com maestria. Fica a vontade de ler mais, procurar seus outros livros.

Abraços.