domingo, 23 de maio de 2010

Amar, hoje!


Não terei no tempo
a infinitude para doar
à incomensurabilidade deste sentimento.


Não terá este sentimento
a longevidade do tempo
em que se sonha fazê-lo durar.


O coração poderá despedir-se
antes que a felicidade se esgote,
ou o prazer apagar-se
antes que o órgão renuncie.


Quero amar, hoje!
… sem adiar.
E o amanhã...
que seja um simples prolongar
desta urgência que desejo infindável.

3 comentários:

Tia disse...

Sábia decisão... Amar, já!

Zaclis Veiga disse...

me lembrou Vinicius: "que seja eterno enquanto dure"

© Piedade Araújo Sol disse...

belissimo.

beij