domingo, 18 de abril de 2010

Mar em ti



O mar invade teus seios
como as minhas mãos
naquela noite de luar
em que as estrelas
se apagaram para ouvir
o silêncio gritar teu nome.

Os grãos de areia
intumescem as dunas
onde o vento hesita
entre a chegada e a partida
do lume que os dedos desenham
nas grutas de teu corpo.

Ficam na tua pele
algas soltas dos lábios
com que o sol beija amanhã.
Deito-me no teu sono
sentindo escorrer o pólen
que num voo asfixiado
transformas em sémen
do mar a que te entregas.

Nesse instante,
encho-me em marés no teu corpo.

2 comentários:

Charlotte disse...

Sensual como o ondular das ondas...LINDO!!!

Tia disse...

Tão imenso quanto o mar... maravilhoso!