quarta-feira, 30 de junho de 2010

Pára sobre mim o teu luar


Pára sobre mim o luar
neste mar em que me abro
para tocar as margens da tua vontade.
Sente nas veias esta corrente
que os rios me trouxeram com o teu nome.
Flutuam à superfície sílabas de beijos,
alfabeto bordado na vertigem
de me entregar precipício
no livro que não me deixas ler-te.
Pára sobre mim o luar
e verás o sorriso soprar nas velas
das embarcações que dos meus sonhos partem
rumo ao oceano dos teus dias.

1 comentário:

© Piedade Araújo Sol disse...

talvez um dia ainda o livro seja lido.

belo poema!

beij