quarta-feira, 17 de março de 2010

Não sei...


Não sei…
onde colocar os passos
neste vazio que me enubla o hoje.

Não sei…
se perdi as asas
se a vontade de voar.

Não sei sonhar…
esqueci como ler o amanhã.

Existe em mim
um dia que teima não nascer;
uma alvorada adormecida
ou uma noite infinita.

Não sei…
onde guardei o sol.
Talvez num bolso roto,
perdido num caminhar sem passos
incógnitos
no espelho em que não me reconheço.

Não sei…
das asas, nem do voo.
Fico neste tronco sem sol,
arrepiando a pele
e a necessidade de avançar
à procura dum futuro
onde me encontre,
em passos fugindo
deste lago onde me afogo
em incertezas de quem sou!


2 comentários:

sonja valentina disse...

é assim a caminhada... feita de certezas e incertezas, avanços e recuos. passo a passo se constroem os dias e se "consolidam" os sentimentos, tantas vezes assentes nem sabemos bem em quê...

© Piedade Araújo Sol disse...

podes nao saber muita coisa.

mas sabes escrever belos poemas como este que aqui nos dás a partilhar.

muito belo.

um beij