quinta-feira, 4 de março de 2010

Invictus


Quando um país vive no adormecimento duma separação latejante marcada por diferenças de cores, de crenças e de linguagens, não será suficiente a vontade duma maioria para apagar os rancores, a incredulidade e o confronto enraizados nos mais profundos e inatos alicerces do racismo. Haverá que recorrer à alma indomável dum líder sabedor de que a união fará a força, que assume o passado como isso mesmo: algo a que não se volta; que acredita no futuro como o único caminho para ser feliz.

Um líder que aposta na surpresa, no agir contrariamente ao que o outro prevê. Em Invictus, de Clint Eastwood, Morgan Freeman encarna o líder Nelson Mandela, que se empenha em mudar a imagem da África do Sul. Numa opção prioritariamente política, aproveita a organização da Taça de Mundo de Rugby, e os milhões de olhares que estão sobre o País, para provar que um novo sol brilha sobre a sua população.

Nelson Mandela acredita que a inspiração é o caminho para a mudança e para o sucesso. Os exemplos serão sempre coadjuvantes para isso. O exemplo é ele próprio. Ele será o instigador da confiança. Ele será o mentor que fará os outros reconhecerem-se na auto-confiança individual. Ele respeita e incita a respeitar. Ele distingue e ensina a distinguir. Ele reconhece e obriga a reconhecer.

O êxito arrasta a crença. O êxito provoca a valorização. O êxito une. Os resultados surgem porque a responsabilidade atraiu a segurança. Os cépticos tornam-se devotos. Quando as vitórias acontecem, esquecem-se as diferenças e um país ousa acreditar ir mais longe. Independentemente da raça, da fé, da admiração, da ideologia, um país uniu-se em torno do desejo de ganhar. E a África do Sul conseguiu! Porque houve um homem que foi ‘senhor do seu destino! Comandante da sua alma!’ e o exemplo para que outro homem sentisse que também o poderia ser. O País ganhou!!!

2 comentários:

susana disse...

E o que sofreu com isso...

Alexandra disse...

Não li ainda o que escreveu mas quero dizer-lhe que fiquei feliz pelo regresso! Obrigado!